Almedina Blockchain Challenge

O Blockchain como solução para problemas de produção de conteúdos

Proposto por

Grupo Almedina

O Grupo Almedina foi fundado em 1955, na cidade de Coimbra e frente ao famoso Arco de Almedina, por Joaquim Machado. À época, uma pequena livraria, mas que, nos mais de 60 anos de existência se assumiu como uma das mais relevantes editoras em Portugal. A proximidade ao meio universitário e a necessidade de manuais académicos cedo colocou a Almedina no negócio editorial.

Contribuindo para a difusão de novos autores e correntes de opinião e investigação, as Editoras do Grupo Almedina posicionam-se sobretudo nas áreas do conhecimento técnico não descurando a publicação de obras que contribuam para o pensamento crítico e reflexão. A Edições Almedina, amplamente reconhecida como líder nas edições jurídicas em Portugal, edita também, entre outras, nas áreas de medicina, psicologia, educação, economia e ciências exatas. No sentido de melhorar e potencializar estas àreas de actuação adquiriu duas editoras, a Actual Editora - nas áreas de Economia e Gestão - e a Edições 70 – reconhecida pela edição de livros na àrea das Ciencias Sociais e Humanas.

A par do negócio editorial, o Grupo foi alargando a sua rede de livrarias, que foram surgindo junto aos principais pólos académicas do país: Braga, Porto, Coimbra e Lisboa. Actualmente existem onze livrarias físicas e uma livraria virtual, www.almedina.net, com uma oferta generalista privilegiando o fundo editorial de qualidade. O Grupo Almedina tem estado particularmente atento aos mercados da CPLP tendo criado, em 2005 a Almedina Brasil, com sede em S. Paulo, e estabelecido parcerias para os mercados de Angola e Moçambique.

 

Descrição

Como podemos utilizar a Blockchain para tornar a produção de conteúdos e as questões relacionadas com a autoria mais fiáveis e proteger a autenticidade do conteúdo dos autores e a segurança online?

 

Contextualização

A Web como a conhecemos está a atravessar uma fase crítica, com um elevado número de tendências que ameaçam os princípios sobre os quais foi inicialmente desenvolvida. Em algumas áreas, existe uma crescente insatisfação com a quantidade de desinformação que é partilhada online – um fenómeno recentemente identificado como “fake news” (notícias falsas). Em paralelo, os valores originais da Web em relação à abertura e tolerância foram postos à prova por uma crescente falta de confiança (tendo como exemplos os ciberataques e o cyberbullying) e pela violação dos direitos de autor. Para concluir, a liberdade que foi projetada para indivíduos e empresas está a ser ameaçada pelas preocupações ligadas à autenticação de conteúdos e à segurança. Isto deve-se em parte aos modelos de negócio adotados por alguns dos principais interlocutores comerciais. Estas preocupações foram levantadas por, nem mais nem menos, Sir Tim Berners-Lee, o inventor da World Wide Web numa carta aberta.

Os produtos baseados em conteúdos e serviços assumirão um papel vital na criação de uma Web mais aberta e tolerante, mas também na demonstração de como o valor comercial pode ser criado ao ajudar a combater estas preocupações. Por exemplo, os algoritmos de Blockchain e Inteligência Artificial poderão atribuir uma classificação de confiança a websites baseada na confiabilidade do conteúdo, podem cruzar referências de factos por toda a Web, assim como prever a probabilidade de o conteúdo ser “falso” com base noutros dados.

Neste contexto, estamos particularmente interessados em soluções que alavanquem conteúdo fechado e cocriado para:

- Identificar, definir e predizer “fontes falsas”, mas também providenciar um meio para verificação de factos da informação presente no conteúdo antes de avançar para a sua publicação;

- Construir ferramentas e serviços que alertem os autores de vulnerabilidades no processo de autoria;

- Criar soluções que combatam algoritmos de autoria tendenciosos;

- Providenciar os meios para verificação da conformidade quando novas leis e regulações são produzidas; e

- Monetizar o conteúdo para distribuição e curadoria.

 

Dados

Exemplos de dados que podem ser disponibilizados incluem, mas não estão limitados a:

- Conteúdo autoral;

- Arquivos digitais;

- Conteúdo de produtores e consumidores;

- Conteúdo de agências noticiosas;

- Dados de segmentação de consumidores.

 

Resultados expectáveis

Exemplos de resultados podem incluir, mas não estão limitados a:

- Novas apps e serviços (web, mobile, etc.), ferramentas de publicação para notícias e artigos online;

- Novos algoritmos (para progração de informação, mineração de proveniência, reconhecimento de conteúdo, etc.);

- Novas tecnologias para integrar fontes de dados;

- Novas ferramentas e processos de negócio que suportem o processo de tomada de decisão que torne os insights dos algoritmos mais fáceis de compreender;

- Novas formas de hardware de conteúdo (por exemplo, wearables, VR, AR).

 

Impactos expectáveis

Os participantes precisarão de fornecer detalhes acerca de como a estrutura de medida do impacto que vão usar:

- Ajuda as pessoas a produzir, consumir e a conseguir um melhor acesso a informação de alta qualidade;

- Melhora a precisão do conteúdo, notícias e informação online;

- Melhora a sensibilização para a desinformação online;

- Faz com que os produtores de conteúdo se sintam mais seguros online; e/ou

- Torna os produtores de conteúdo mais atentos à forma como o seu conteúdo está a ser utilizado e onde se encontram as vulnerabilidades.

 

Consulte o regulamento deste Challenge em PDF nesta ligação.

 

VISITE A NOSSA PÁGINA NA PLATAFORMA F6S PARA CONCORRER