APS Blockchain Challenge

A tecnologia Blockchain como ferramenta para o trabalho com informação relacionada com registos prediais em contexto de seguros multirriscos de imóveis

 

Proposto por

A Associação Portuguesa de Seguradores (APS) foi criada em 1982 e é uma associação sem fins lucrativos, constituída com o objetivo de defender e promover os interesses das empresas de seguros e resseguros. O conjunto dos Associados da APS representa atualmente mais de 99% do mercado segurador, quer em volume de negócios, quer em efetivos totais empregados. A APS assume uma importância primordial na atividade seguradora portuguesa enquanto entidade representativa do setor, tanto a nível nacional como internacional.

 

Resumo do desafio

A tecnologia Blockchain pode ser uma ferramenta muito útil e poderosa no sentido da verificação e obtenção de informações essenciais do Registo Predial no contexto da aplicação de seguros multirriscos de imóveis e dos fundos de catástrofe e da adequação dos prémios na subscrição dos riscos patrimoniais.

 

Descrição

Poderá uma solução em Blockchain servir para a verificação, obtenção e autorização de cedência de informações do Registo Predial em contexto da aplicação de fundos de catástrofe?

 

Contextualização

São vários os casos de uso possíveis da tecnologia Blockchain no setor dos Seguros e todos eles com um enorme potencial disruptivo do ponto de vista das alterações profundas que poderão provocar nos modelos de negócio atualmente existentes no contexto do setor. Considerando a premente necessidade de as seguradoras reunirem o máximo de informação precisa possível em determinadas áreas (registos predial, automóvel, de cidadania, entre outros), uma das possibilidades em aberto reside na interoperabilidade entre os produtos apresentados pelas seguradoras e bases de dados governamentais, como é o caso do Registo Predial.

Tal como evidenciado pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), o exemplo do terramoto que assolou o Haiti, em 2010, é bastante ilustrativo dos problemas existentes um pouco por toda a parte no que toca à manutenção de registos prediais em situações de crise. Aquando do processo de reconstrução do país, a dificuldade em identificar os proprietários dos terrenos sujeitos a intervenção constituiu um forte obstáculo para o início dos trabalhos de reedificação das infraestruturas haitianas.

Com uma solução baseada em Blockchain, este problema poderia ser resolvido eficazmente através do desenvolvimento de registos imutáveis sobre os quais não existam dúvidas quanto à autenticidade, propriedade e responsabilidade dos dados neles contidos. Desta forma, os registos estão permanentemente ligados ao sistema para que não sejam adulterados ou forjados, incrementando a transparência, a robustez e a agilidade de todo o processo.

Tendo em conta este contexto e as possibilidades decorrentes da aplicação de uma solução deste tipo em Portugal, pretende-se criar as condições necessárias para que exista uma verificação e a obtenção de informações essenciais do registo predial (seja a partir da Conservatória do Registo Predial ou da caderneta disponibilizada pela Autoridade Tributária) nos casos de risco sísmico. Desta forma, poderá ser melhorada a forma como são aplicados os fundos de catástrofe e a adequação dos prémios na subscrição dos riscos patrimoniais.

Do ponto de vista da aplicação de soluções baseadas em Blockchain por parte da Associação Portuguesa de Seguradores, uma proposta de resolução do problema apresentado só poderá reunir características que trabalhem o setor como um todo, abordando todos os agentes envolvidos e apontando para uma solução transversal ao setor. Com este desafio, pretende-se:

- Ter uma visão completa do parque habitacional português para que os produtos apresentados pelas seguradoras sejam o mais precisos possível;

- Identificar as características do bem imóvel e do proprietário na área do risco sísmico e no caso de bens urbanos; e

- Utilizar o artigo matricial (chave) para efetuar pesquisas no registo predial; ou NIF e artigo matricial, concelho/freguesia da fração em análise para pesquisar nos registos da Autoridade Tributária de forma a obter informações do registo predial.

 

Dados

Exemplos de dados anonimizados que podem ser disponibilizados para o desenvolvimento de um Minimum Valuable Product (MVP) ou Proof of Concept (PoC) incluem, mas não estão limitados a:

- Dados atuariais de catástrofes (sismos, cheias, etc.);

- Datas de início e encerramento do seguro;

- Datas do sinistro e da participação;

- CAE da atividade, no caso de se tratar de empresas;

- Tipo de produto (Habitação, Condomínio, Comércio, Indústria, Comércio e Serviços, Engenharia);

- Tipo de objeto segurado (Edifício, Recheio, Edifício e Recheio Indissociáveis, Atividade da Empresa, etc.);

- Coberturas afetadas (Fenómenos Sísmicos, Aluimentos de Terras / Acidentes Geológicos, Perdas de Exploração / Lucros / Rendas, etc.);

- Tipo de indemnização (Perda total ou Perda parcial).

 

Resultados expectáveis

Exemplos de resultados expectáveis incluem, mas não se limitam a:

- Soluções que garantam a robustez e fiabilidade dos dados disponibilizados pelos diferentes interlocutores;

- Aplicações, ferramentas ou serviços que sejam acionados em caso de catástrofe de forma a ter visibilidade precisa, imediata e total das áreas afetadas, coberturas alocadas e indeminizações a pagar;

- Algoritmia que assegure o cúmulo de risco;

- Integração de ferramentas de georreferenciação;

- Funcionalidades de acesso a sistemas legados que permitam processos de transição de sistemas.

 

Impactos expectáveis

Os participantes terão de fornecer detalhes sobre como pretendem desenvolver uma solução em Blockchain, mas também sobre como a sua solução pode:

- Garantir a harmonização de conceitos no setor;

- Assegurar a agilidade dos processos de Subscrição, de participação de Sinistros e de Resseguro melhorando a sua celeridade, desmaterialização e digitalização;

- Certificar, perante o cliente, a transparência do processo, a fiabilidade dos dados e os benefícios decorrentes;

- Melhorar a visibilidade sobre as áreas não cobertas por seguros de catástrofe;

- Aumentar a transparência do processo e acelerar o processo de indeminização ao segurado.

 

Consulte o regulamento deste Challenge em PDF nesta ligação.