Identidades Digitais na Blockchain, como se podem aplicar ?

A utilidade da Blockchain na Identidade Digital varia desde a identificação pessoal dos refugiados, como para ajudar as equipas de desporto universitárias a entender a sua fanbase e também serve para verificar certificados e doações.

                                                       Advances in digital ID place onus on Canadian insurers | Insurance Business             
                                                        Fonte: Insurance Business America

A SkillZ é uma Startup de Blockchain baseada na Ethereum, onde ajuda os trabalhadores a armazenar as suas identificações, certificações de trabalho e dados biométricos. Esta Startup faz parceria com empresas que preenchem essas informações com o nome dos seus trabalhadores. Isso permite aos mesmos terem credenciais de trabalho transferíveis.

Num estudo feito pela Stanford Graduate School of Business, foram reúnidas 20 empresas, 16 são com fins lucrativos, 3 são sem fins lucrativos, sendo a ultima, uma instituição governamental. Sendo que 55% por cento das empresas usam Ethereum para as suas identidades digitais, 15% usam o Hyperledger, Fabric da IBM, 10% usam Bitcoin e o resto afirma que usa várias outras tecnologias de blockchain ou até as suas próprias soluções personalizadas. Dessas 20 empresas inquiridas, 10 relataram atingir de 100.000 a um milhão de utilizadores e 2 relataram atingir mais de um milhão.


                                                 Digital ID framework to begin Alpha testing in Canada
                                                  Fonte: Payments Cards & Mobile

Spring Labs desenvolveu o Spring Protocol, uma plataforma de compartilhamento de informações B2B que utiliza a Blockchain e uma camada extra de criptografia para facilitar a troca de informações nó a nó.

A missão do Spring Labs é mudar como os dados são pertencentes, compartilhados, trocados, avaliados e monetizados. Ao separar a "propriedade de dados" do "valor de dados", a Spring Protocol irá mudar muitas normas na indústria que dependem da necessidade de acumular e agregar dados a fim de obter valor.

O primeiro produto a ser desenvolvido com base no Protocolo Spring é um "un-bureau" descentralizado que facilita a troca de dados de identidade e fraude entre as instituições financeiras e outras partes que possuem informações valiosas sobre o consumidor. A solução deve eliminar muito os hacks, bem como fornecer uma melhor segurança de dados, privacidade, propriedade e economia do que o ecossistema já existente.